Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos por contar

Contos por contar

24
Mar21

Hoje vamos à maré, quem quer vir?

#10 - Verde Claro - Desafio da Caixa dos Lápis de Cor

Cristina Aveiro

1-Rochas do pedrogão.JPG

Era uma vez um bando de primos que adorava estar na praia com a tia Amélia, que não tinha filhos e vivia numa casa só para ela. Aquela praia aninhada no Pinhal de Leiria tinha poucas casas, era ventosa e o mar estava bravo a maior parte do tempo, mas a criançada adorava estar lá. Havia dias em que iam fazer passeios e explorar o pinhal e havia sempre jogos e coisas para fazer, coisas simples como apanhar pinhas a ver quem consegui ter mais, procurar o lugar mais escondido no meio dos medronheiros altos e densos, subir a colina onde estava o posto de vigia dos fogos e ver se os deixavam subir. Nunca se cansavam de inventar coisas para fazer e a tia escutava aquelas vontades todas de gente pequenina e ia combinando, aceitando e rejeitando projetos conseguindo que o bando aceitasse as escolhas finais que eram da tia. A tia era mais fácil de convencer a fazer coisas diferentes do que os pais deles. Havia coisas que só podiam fazer sendo muitos e mesmo as ideias que iam tendo para brincar e fazer eram mais e melhores por estarem naquele lugar e por estarem todos juntos. Quando planeavam o que queria fazer falavam muito, às vezes discutirem de forma acalorada qual era a melhor coisa que podiam fazer no dia seguinte, mas isso só tornava tudo mais divertido.

Um dia de manhã bem cedo a tia disse: - Hoje vamos à maré, quem quer vir?

A criançada ficou logo a dizer que sim com entusiasmo. Alguns não sabiam o que era ir à maré, mas queriam ir na mesma. Todos sabiam que havia a maré cheia e a maré vazia, no fundo o mar encolhia e esticava todos os dias sempre ao mesmo ritmo. Eles preferiam quando a maré estava vazia porque podiam aventurar-se um pouco mais na água. Na maré cheia, mesmo nos raros dias de bandeira verde, apenas podiam molhar os pés porque o mar ainda que manso era grande, com ondas suaves mas muito gordas e ficava fundo, não era para gente pequena.

Vamo-nos despachar a vestir e tomar o pequeno-almoço, depois, cada um agarra no seu balde de praia e leva-o consigo e a tia leva o resto das coisas. No caminho da praia foram para a zona das rochas que estavam descobertas porque a maré estava bem vazia. Estava tão vazia que até se conseguia passar até à outra praia mais a Sul. Os miúdos estavam encantados com o que iam vendo. A tia explicou que iam apanhar os mariscos das rochas, mostrou-lhes os burriés, lapas, os mexilhões, percebes e todos podiam procurar outras coisas que lhes parecessem boas para apanhar. A tia disse que depois daquela pescaria iam fazer um enorme petisco e comer o que apanhassem. Algumas crianças fixaram-se em apanhar os burriés ficando fascinadas com a quantidade de cores que tinham, desde preto, castanho, riscados de branco, … Outras tentavam apanhar os percebes, era uma tarefa mais difícil, os maiores percebes cresciam nas fendas entre duas rochas ou então nas zonas mais baixas, virados de “cabeça” para baixo. Um dos primos ia saltitando de rocha em rocha, apanhando um pouco de tudo o que encontrava.

1-percebes.JPG

Para apanhar as lapas era preciso a ajuda da tia porque tinham de usar uma navalha para as descolar da rocha. Afinal não é à toa que se diz “agarrado como uma lapa”.

Quando a maré começou a subir e todos já estavam a ficar cansados a tia disse que era hora de irem embora e assim foi. Antes de regressar a casa para guardar a pescaria sentaram-se na areia da praia com os seus baldes ao centro para todos verem as pescarias de cada um. Ficaram admirados com o cada um tinha apanhado. Mas havia um balde que deixou todos de boca aberta. Um dos pequenos tinha o balde cheio de alface do mar, linda no seu verde claro, viçoso e brilhante e ele estava muito orgulhoso.

algas-verdes-nas-rochas-na-beira-do-mar_3510-876.j

Os primos começaram a rir e a dizer que ele não tinha percebido nada! Aquilo não era pescaria nenhuma. O menino começou a ficar triste e foi dizendo que se ia haver um petisco com coisas do mar também devia haver uma salada e ele tinha apanhado a alface para a salada. Todos riram ainda mais. Então a tia disse para pararem de ser mauzinhos, aquela não era a alface normal das saladas a que estavam habituados, era alface do mar, comestível e um bom alimento. Sentiam que tinham feito uma bela pescaria e, se a tia dizia que a alface do mar também ia brilhar no petisco é porque era verdade.

Ao chegar a casa foi toda uma azáfama a limpar os mariscos, a aprender como se cozinhava cada um e até mais tarde a aprender como se comiam. Sim, comer burriés tem que ser aprendido, não se percebe logo como se vai tirar o bichinho da concha.

Chegou a vez de lavar muito bem a alface do mar e todos estavam curiosos sobre como a iam comer. A tia explicou que quando tinha visitado os Açores tinha aprendido muitas maneiras de cozinhar aquelas alfaces e naquele dia elas iam entrar em muitos pratos, na sopa, na salada que ia acompanhar o jantar, numa bela omelete, num molho para barrar as torradas e um pouco para a caldeirada. Se houvesse mais até podiam usar para fazer uma sobremesa, mas hoje ia mesmo ser só fruta para a sobremesa! 

E tu alguma vez foste à maré? Alguma vez provaste os legumes do mar, as algas?

 

Texto no âmbito do #10 Desafio da Caixa dos Lápis de Cor - Verde Claro

Neste desafio, que eu saiba, participo eu, a Oh da guarda peixe frito, a Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Fátima Bento, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, o José da Xâ,  a Rute Justino, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita, a Miss Lollipop, a Ana Mestre a Ana de Deus, João-Afonso Machado, A Marquesa da Marvila e a bii yue.

Todas as quartas-feiras e durante 12 semanas publicaremos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio. Acompanha-nos nos blogues de cada uma, ou através da tag "Desafio Caixa de lápis de Cor". Ou então, junta-te a nós :)

31
Out20

O Morango do Mar gosta de brincar

Cristina Aveiro

o_actfra.jpg

Era uma vez uma anémona vermelha muito bonita que vivia numa praia perto de nós, agarrada a uma rocha, cheia de vida. Era um Morango-do-Mar porque quando estava feliz e mergulhada na água soltava os seus pequenos tentáculos que pareciam cabelos e estavam sempre a baloiçar ao sabor dos movimentos da água do mar.  As rochas onde o Morango-do-Mar vivia ficavam descobertas quando a maré ficava vazia e ficavam debaixo de água na maré cheia. Durante as mudanças da maré as ondas batiam nas rochas desfazendo-se em espuma branquinha, cheia de pequenas algas invisíveis que serviam de alimento a todos os habitantes desta zona fascinante da praia.

Filão-basáltico-1024x768.jpg

Os morangos-do-mar preferiam as zonas mais baixas das rochas junto à areia e do lado oposto às ondas porque as ondas eram demasiado agitadas e as anémonas preferiam águas mais tranquilas. Quando a maré ficava muito vazia os morangos-do-mar recolhiam os seus tentáculos e encolhiam-se o mais que podiam, ficavam mesmo a parecer um morango já mole e gelatinoso com um buraco no meio. Bem havia uma grande diferença, as anémonas estavam muito bem agarradas à rocha e nada as fazia sair dali e os morangos ficavam pendurados nas plantas por uns finos fios verdes.

Nas rochas havia mexilhões azuis, tufos de percebes de todos os tamanhos, lapas grandes, pequenas, caranguejos pequeninos das rochas todos malhados que nem se conseguiam distinguir da rocha. As rochas tinham alfaces do mar agarradas do lado onde batiam as ondas, nas zonas mais afastadas e do lado oposto às ondas as algas eram diferentes, chamavam-lhes bodelha, eram de um verde-escuro, com uma espécie de dedos finos e curtos cheios com umas bolsinhas ocas cheias de ar que ficam a flutuar na maré cheia.

IMG_0575.JPG

Há muito tempo nestas rochas também havia outros animais que eram os burriés, os caracóis do mar que com as suas formas bem enroladas, pretas, castanhas e riscadas tornavam ainda mais perfeito aquele cantinho mágico das rochas da praia.

16921740_nQhAS.jpeg

Durante o verão vinham muitas pessoas brincar nas poças de água deixadas pela maré entre as rochas, vinham as famílias com as crianças e era vê-los a procurar os caranguejos, e tentar brincar com as franjinhas dos Morangos-do-Mar e a vê-las encolherem e desaparecerem dentro do corpo da anémona. Muitas pessoas tiravam fotografias e filmavam as poças cheias de vida que faziam as crianças sonhar com aventuras como as que viam nos desenhos animados. Às vezes vinham algumas pessoas com vontade a arrancar os percebes, ou os mexilhões, as lapas, enfim levavam embora alguns dos amigos do morango-do-mar, o que o deixava sempre triste. Felizmente nas rochas estavam sempre a nascer novos mexilhões, lapas e percebes e claro Morangos-do-Mar, alfaces e bodelhas que cresciam tranquilas durante o Inverno.

E tu já brincaste com os Morangos-do-Mar?

unnamed (1).jpg

Vê como o Marango-do-Mar brinca...

 

                         

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desafio Caixa dos Lápis de Cor

desafio com moldura selo.png

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub