Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos por contar

Contos por contar

21
Set22

A menina de sua Mãe!

Desafio Arte e Inspiração 2.0 - semana #2

Cristina Aveiro

Young Mother Sewing-Mary Cassatt-1900.jpg

Sempre fora assim, tinham-se uma à outra, parecia que eram quase um único ser. A menina adorava a sua mãe, os dias eram passados com ela em pleno. Quando a mãe cuidava da casa a menina seguia os seus passos, quando ia lavar a roupa ao rio acompanhava a mãe, no início ficava sentada numa bacia de zinco, depois já ficava sentada na margem, ou a chapinhar no rio quando era Verão. Quando já era mais crescida até gostava de tentar apanhar peixinhos que depois levava para casa, mas que para surpresa sua acabavam por morrer, tal como a mãe já antes tinha vaticinado, mas que a menina não conseguia acreditar.

O pai adorava a menina e a mãe, mas estava pouco tempo em casa, tinha sempre de ir a muitos sítios no seu carro verde cheio de tecidos e outras coisas para vender às pessoas que precisavam. Assim, a maior parte do tempo da menina passava-se na companhia da sua mãe.

A menina adorava o tempo que a mãe passava naquele lugar da casa a que chamavam casa da costura, onde havia uma bela máquina Singer, onde a mãe costurava longas horas sacas do pão, a partir de tecidos cortados que cheiravam muito bem, cheiravam a algodão, num cheiro quente e intenso que quase parecia o do pão quente que iriam albergar.

A menina gostava de tudo naquele ritual, desde o som ritmado da máquina de costura a galope tranquilo, ao cheiro doce das sacas que pareciam já ter o pão lá dentro, até às tarefas que lhe deixavam fazer. A menina podia virar do avesso as sacas depois de terem sido cozidas uma primeira vez. A mãe dizia sempre que ela tinha ajudado muito e que se notava como estava crescida. Mais tarde, quando já conseguia controlar melhor os movimentos, a mãe deixava-a colocar a fita de nastro nas sacas usando um alfinete de ama, que empurrado e puxando fazia a fita chegar ao outro lado e depois dava o nó para ficar fechada a fita.

Quando começava a ficar cansada, a menina deitava-se sobre o monte das sacas já feitas e a mãe continuava a cozer sem parar e a menina, embalada pelo som amigo e tranquilo da máquina de costura começava a fechar um pouco os olhos e quando dava conta já tinha adormecido.

Acordava quando o som da máquina parava e ficava tonta e estremunhada, procurando a mãe e resmungando porque o sol já se tinha ido embora e a menina não o tinha visto partir.

Oh! Como a casa da costura era um lugar mágico! Oh! Como nada de mal podia acontecer por ali! Durante o resto da sua vida, a menina, sempre que se sentia em água turbulentas regressava à casa da costura e ali ficava com a sua mãe e nada no mundo era mau, perigoso ou triste. Ali tudo era calmo, cheio de amor e tranquilidade para todo o sempre!

 

 

PS: Quando vi esta pintura pela primeira vez no MOMA, nem sabia que tinha havido impressionistas americanos, tinha ido lá para ver os nossos mestres europeus. Tive de trazer um poster do quadro para oferecer à minha mãe. Muitos anos mais tarde, a minha mãe pode ir ver o mesmo quadro ao MOMA e trouxe três reproduções deste quadro e ofereceu uma a cada uma das suas três filhas. A máquina de costura e costurar sempre foram uma companhia da minha mãe e das meninas que foram nascendo e mesmo os rapazes (netos) sentem algum fascínio por costurar com a avó.

 

Todas as quartas-feiras eu e a Fátima Bento, a Ana D., a Ana de Deus, a Ana Mestre, a bii yue, a Célia, a Charneca Em Flor, , a Imsilva, o João-Afonso Machado, o José da Xã, a Luísa De Sousa, a Maria, a Maria Araújo, a Mia, a Olga, a Peixe Frito, a Sam ao Luar, e SetePartidas publicamos um texto relativo ao quadro da semana, que é apresentado todas as sextas de manhã.

Se se quiser juntar a nós, esteja à vontade, diga apenas que o vai fazer!

(o desafio termina na última semana de novembro )

04
Ago22

O homem que desenhava gatos!

“A Vida Eletrizante de Louis Wain”

Cristina Aveiro

IMG_3237.JPG

Desde muito cedo que percebeu que era diferente das outras crianças, aquele seu lábio estranho, as coisas que interessavam aos outros rapazes na escola e que nada lhe diziam e mesmo em família percebia as suas diferenças. Ter ido tardiamente para a escola (por conselho médico) não terá ajudado a que se sentisse mais confortável nela.

Tinha interesse por observar tudo o que havia na natureza, nos lugares com pessoas nas suas vidas. Muitas vezes não ia à escola para deambular pelas ruas de Londres a observar, a absorver e a desenhar freneticamente tudo.

A sua energia e arte permitiam-lhe pintar com as duas mãos ao mesmo tempo numa velocidade alucinante e com resultados espantosos. Na West London School of Art destacou-se e foi professor por um período curto. Não tinha interesse em ensinar, queria desenhar, criar e pensar em invenções que lhe enchiam a mente. Desenhava para revistas e jornais sem preocupações de ordem prática da vida quotidiana quando a morte do pai o transforma, aos 20 anos, no homem da família, com a mãe e as irmãs a seu cargo.

Esta não era de todo uma missão que a sua mente criativa, frenética, quiçá febril e desorganizada conseguia desempenhar. O lado económico da existência, a ordem das contas e essas tarefas correntes eram algo que a sua mente, que navegava nos altos céus da criatividade, não alcançava. Tão pouco assimilava as normas e convenções sociais rígidas de estratificação por classes que à sua época eram dogmas.

Neste cenário apaixona-se e casa-se com a perceptora das suas irmãs o que manchou o bom nome da família, mas lhe trouxe uma forma de ver o mundo com uma beleza que não conhecia. O seu amor foi feliz, nada lhe importaram as questões sociais, ou a rejeição da sua família, contudo a doença fatal da sua esposa mudou o seu mundo de novo, mergulhando-o em imenso sofrimento. Nesta altura, lutando contra a doença, encontram um pequeno gato perdido no meio de uma tempestade que trouxeram para casa e cuidaram. O Peter, como lhe chamaram, passou a ser o companheiro e a alegria dos dois nestes tempos de doença de Emily. Louis desenhou Peter de forma quase compulsiva e Emily quando viu esses desenhos percebeu ele captara a essência da alma felina. Insistiu para que apresentasse os seus novos desenhos aos jornais e revistas, ao que ele acedeu com pouco entusiasmo.

ldbth169.jpg

A primeira ilustração de Louis com gatos com comportamento humano tinha 150 gatos em 11 cenas e teve destaque na edição de Natal de um jornal londrino importante.

Emily morreu pouco tempo depois, pediu-lhe que continuasse a levar alegria à vida das pessoas através da sua arte e que partilhasse o seu amor pelos gatos.

À época os gatos não eram vistos com bons olhos, eram meras criaturas da noite, serviam para caçar ratos, e segundo Louis:

“Quando comecei a esboçar e pintar gatos, eles eram vistos como criaturas detestáveis, vistos como pragas pelos caçadores.”

Pintar e criar, com alegria e humor foram ao longo de toda a sua vida o lugar onde apaziguava a sua dor. O seu amor pelos gatos esteve sempre presente, mesmo nos tempos mais sombrios de perda e afastamento do mundo. A morte do seu amado Peter foi dramática para Louis porque de algum modo era o companheiro que lhe restava da sua vida com Emily.

Desenhou sempre e pintou até ao fim, experimentando novas formas abstratas, psicadélicas, sempre cheias de rigor, cor e com enorme paixão. A sua dor e fragilidade levaram a que passasse os últimos anos em asilos para doentes mentais, mas mesmo aí continuou sempre a pintar imparavelmente.

Muito mais havia para contar sobre o homem que desenhava gatos, mas contemplar os seus gatos parece-me a melhor forma de o dar a conhecer e homenagear!

Louis_Wain_at_his_drawing_table_1890.png

“A Vida Eletrizante de Louis Wain” foi o filme de que me deu a conhecer este homem notável, para além da sua arte marcou-me a sua coragem (haverá quem lhe chame loucura) em romper com preconceitos, em viver o seu caminho, mesmo contra tudo e contra todos se fosse preciso. O estigma sobre a saúde mental foi, é e será uma enorme barreira para que muitas pessoas possam ser felizes e que lhes seja permitido darem o seu pleno contributo à sociedade. Foi também este aspeto da vida e obra de Louis Wain que me tocou profundamente.

 

 

02
Ago22

Quando a saudade não cabe no peito ...

Cristina Aveiro

Quando o coração e o peito ficam apertadinhos de saudades viajo na memória de quando as minhas meninas eram todas minhas…

Não há longe nem distância disse alguém! Mas eu digo que quando os nossos amores estão longe e distantes há um peso no nosso peito que nos abafa e rouba por vezes a energia e a luz.

Talvez sinta saudades de tudo o que vivemos enquanto cresciam. Hoje pousei o olhar na Maria com o pequeno passarinho na mão e na Matilde de olhar tranquilo e doce. Só de contemplar estas imagens viajo ao momento vivido, parece que sinto os cheiros e o calor desses dias longos de Verão e sem querer sinto o meu sorriso a aparecer.

Talvez por ser Verão, por estar calor, por ter ido ao quintal encantado da avó ainda há bocadinho, talvez por tudo isso senti ainda mais a saudade dos abraços e beijos e de estarmos todos juntos.

Talvez por não conseguir guardar toda esta saudade em mim tive de a partilhar convosco!

 

 

26
Jul22

Os meus avós inspiram-me e trazem-me sempre um sorriso ao rosto!

Cristina Aveiro

IMG_1713.JPG

O amor do meu avô Manuel pela sua Maria sempre me fez desejar ser amada assim. O carinho, os abraços, as palavras calmas e a voz paciente do meu avô ficaram comigo para sempre, a minha avó, mais enérgica, menos paciente para abraços ou coisas que a demorassem e atrasassem o objetivo que tinha destinado escapava-se dos carinhos dele, mas sempre de um modo brincalhão e no fundo, parecia-me feliz com a atenção que recebia.

IMG_1765.JPG

Foram sempre construtores da sua família, vencendo os desafios da vida que foram muitos e custosos, mas nunca perderam a alegria do que iam conseguindo.

As netas e o neto sempre foram enormes fontes de alegria, preenchida de momentos vividos em conjunto, de plantar cebolas, a apanhar erva, ou ver como se retirava o mel dos cortiços. Havia sempre coisas a ensinar e havia sempre tempo para me escutarem e tomarem a sério, o que não acontecia com muitos adultos à época.

IMG_1825.JPG

Souberam acolher as mudanças que o tempo lhes foi trazendo à vida e acompanharam-nos em viagens, aventuras nas praias próximas e mesmo nas praias distantes, sempre com bonomia e gratidão.

IMG_1731.JPGTiveram sempre um enorme entusiasmo pelos netos, desde a primeira (eu) à última que chegou 17 anos mais tarde, a minha irmã mais nova.

O meu avô dizia com convicção que devia haver em todas as casas sempre uma criança com menos de três anos, porque elas eram a fonte da mais pura alegria.

IMG_1746.JPG

Os meus avós deixaram-me tanta riqueza que não consigo descrever tudo o que sinto e me enche e aquece o coração.

Sei que lá onde estão continuam a olhar por nós com a mesma ternura e enlevo que sempre mostraram.

17
Jun22

A Casa dos Anjos

Cristina Aveiro

Os Anjos.jpg

Paul Klee 1939

Naquela encosta batida do vento, mesmo frente ao mar bravo lá ao longe no desabrigo da praia do Norte, só os caniços conseguiam crescer. Não era o lugar onde a maioria gostaria de viver. Sem o abrigo do promontório que guardava a praia amada e admirada, sem a vista do alto do céu das casas do Sítio, protegidas e abençoadas pelo manto de Nossa Senhora da Nazaré, aquele lugar tinha a magia dos lugares de poucos, daqueles que eram verdadeiramente os adoradores do mar.

Foto: Artur Pastor

A menina que ali vivia, na casa que tinha sido sempre dos seus, pais, avós e dos que tinham vindo antes deles olhou com curiosidade aquelas pessoas que chegavam para as casas que tinham nascido ali há pouco tempo. Eram muito altos, magros com cabelos claros e olhos azuis. Dizia-se que vinham dos países do Norte, onde nevava, fazia muito frio e havia pouco sol. Sempre que podia a menina ia ver a casa e tentar vê-los. Quando os via dava-lhe os bons dias e sorria. Eles sorriam e faziam uns sons estranhos, graves na sua língua que os fazia parecer zangados. Com o tempo foram-se habituando à curiosidade mútua e a menina foi-se aproximando. Mais tarde, vieram as crianças e a menina ainda ficou mais próxima e juntava-se nos cuidados e brincadeiras. As gentes da terra já se tinham acostumado aqueles novos vizinhos, que eram muito diferentes deles, mas que partilhavam o amor por aquele lugar.

Foto: Federico Patellani

A língua já ia sendo mais partilhada, os forasteiros estudavam em livros e esforçavam-se por aprender palavras e frases e alegravam-se quando as palavras substituíam os gestos que inicialmente eram a única forma de se entenderem.

A menina e os seus gostavam de partilhar o que tinham com aqueles vizinhos da casa diferente. Muitas vezes a menina pensava que sendo eles gente de posses, não tinham uma casa rica, mas uma casa ampla, cheia de janelas grandes, com varandas grandes e onde a cozinha e a sala estavam em cima e os quartos em baixo. Aquela casa passara a ter sempre a porta aberta para ela. Ela gostava de ver os muitos livros que lá havia, os quadros, em especial os dos anjos. Eram anjos como ela nunca tinha visto. Não eram rosados com caras bonitas e cheios de caracóis e sorrisos num céu azul cheio de estrelas. O senhor explicara-lhe que um era o Anjo Triste, o outro o Anjo Esquecido, o Anjo Esperança e o Anjo do Guizo. A menina adorava-os. Sentia que com o pedaço de papel e lápis que lhe estendiam podia desenhar amigos para aquele bando de anjos com tristezas e alegrias, imperfeitos, mas belos, simples e com corações cheios de sentimentos.

Os anos passaram a menina cresceu, os vizinhos envelheceram e um dia resolveram regressar à sua terra e encontrar novos donos para a casa dos Anjos como a menina lhe chamava.

Oh! Como ela gostaria de poder ser ela a habitar aquela casa tão singular, desenhada como um templo para adorar o sol e o mar. Não ia ser assim, iria continuar na sua casa de sempre.

IMG_0549.JPG

No dia da partida, com a promessa de visitas futuras, os vizinhos vieram a casa da menina com um embrulho grande que lhe entregaram. Enquanto a menina abria o pacote, comoveu-se ao ver os Anjos. Então eles disseram-lhe que os anjos gostam de espaços especiais e que sabiam que a menina ia encontrar o espaço certo para eles e assim aconteceu.

 

 

  

22
Mai22

A porta aberta

Cristina Aveiro

Welcome Beyond.png

Foto:Welcome Beyond

Eram dezoito anos de alegria de viver e crescer no ninho que os seus pais tinham construído. Acabara de conseguir convencê-los a deixá-la ir trabalhar para a Cruz Vermelha onde queria ajudar pessoas, conseguir tornar o mundo um lugar melhor para os que precisam de ajuda. Eram dias felizes estes dos primeiros voos com as suas asas ainda que sob o olhar atento dos seus pais, qual ave juvenil em treino para largar asas para novos mundos.

Young Women in the 1970s (31).jpg

Nesta primavera tranquila irrompeu o vento tremendo do inimaginável. Um acidente de viação levou-lhe os seus pais de uma assentada. Ficou perdida na casa grande e vazia, o seu trabalho era mais ainda o que lhe dava propósito e força para avançar. E pouco tempo depois, a vida trouxe-lhe ao encontro três irmãos muito pequenos, um bebé, um menino de dois anos e uma menina de três que tal como ela tinham perdido os pais muito recentemente. Ela viu neles o sinal e o sentido para avançar e viver.

Aos dezoito anos, sozinha, com alguns meios, adotou os três irmãos que encheram a casa grande de vida e tornaram a sua vida mais completa e feliz. Houve desafios imensos, dificuldades de compreensão de muitos que lhe estavam próximos e de outros no lugar onde trabalhava e vivia. Ela nunca duvidou que passara a ser mãe para sempre, mas havia quem pensasse que sendo tão jovem não medira bem o passo que dera e quem sabe talvez fosse uma fase da sua vida em que iria apoiar aquelas crianças e que depois teria de desistir e “avançar com a vida” como se dizia.

O tempo passou e a sua beleza e energia de jovem atraiu os olhares e atenções de muitos, mas aquele mocetão alentejano de olhar doce que gostava de a procurar para conversar sempre que podia começou a ter um lugar muito especial na sua vida. O namoro avançava, os laços apertavam-se e começavam ambos a sonhar com um ninho comum.

Alentejo_TrailerOK27008.jpg

Eram tempos distantes, de outro século, o passado, e os sonhos de ambos tinham uma divergência profunda, os seus filhos. Ele não conseguia imaginar a vida com filhos que não eram dele, e ela não podia imaginar a vida sem os seus filhos, embora muito quisesse que juntos criassem o ninho comum.

Ela esclareceu de forma irredutível:

- A minha porta está aberta, tu podes sempre vir porque eu te quero, mas os meus filhos jamais podem ir para que tu venhas.

A porta permaneceu aberta, mas ele afastou-se e partiu. Os anos passaram as crianças iam crescendo, um dia, passados seis anos, voltaram a encontrar-se noutra cidade. Falaram e recomeçaram a encontrar-se, a conversar, a continuar o que tinha ficado interrompido e que nunca deixara de existir.

Algarve, 1957 castello-lopes.......png

Foto: Gerárd Castello-Lopes

O jovem alentejano de olhar doce tinha crescido, compreendido melhor as coisas importantes que temos na vida. Um dia voltou a pedir-lhe para ficarem juntos e construírem uma família, mas logo esclareceu que:

- Peço-te que me aceites como pai dos teus filhos, serão meus do fundo do coração e para sempre, e se nascerem mais filhos serão tão nossos como os que já temos.

Aquela jovem de imensa generosidade, de porta aberta e coração feliz aceitou o seu alentejano doce. Nasceu uma menina e ainda hoje vivem felizes na sólida e bela família de seis que juntos construíram.

 

 

gerard-fotografo-janela.jpg

Foto: Gerárd Castello-Lopes

PS- Estou a contar-vos a história que tive a felicidade de escutar da Dona São, a partir da sua janela onde conversamos como faziam os namorados de outros tempos. Comovi-me, sorri, senti-me inspirada porque esta é uma história verdadeira de gente de hoje que continua as suas vidas no meio de nós, e senti que tinha de partilhar convosco.

17
Fev22

O nosso Xadrez

Desafio do Triptofano

Cristina Aveiro

Desafio_Triptofano_4-Recorte.jpg

Tinham saído do ninho, trilhavam caminhos de autonomia e liberdade numa nova etapa das suas vidas. Iam atrás do sonho do saber aprendido na cidade grande, na escola dos que mais sabem e onde mais se aprende, na escola onde se fabricam doutores e engenheiros tal como eles queriam vir a ser. Eram os mágicos 20 anos onde tudo ainda vai ser e todos os sonhos cabem nas nossas mãos. E além da alegria dos pássaros à solta em voos de novos mundos e lugares houve aquela magia que une os olhares quando se cruzam e se procuram, houve o acompanhar novos grupos de amigos para que os olhares ainda mais se aproximassem e os momentos juntos fossem mais frequentes e mais prolongados.

E havia aquele café onde os estudantes daquela Coimbra dos amores se encontravam à noite em bandos ruidosos. Na sala do fundo tudo era mais tranquilo e havia jogos de tabuleiro, damas, xadrez, ... e ela que nunca quisera nada com o xadrez porque no seu ninho não era um jogo de casa, pediu que ele lhe ensinasse porque nunca tinha aprendido. E começaram a jogar todos os dias, as conversas não acabavam, envolvidas nas torres, bispos e peões. Ele sempre em vantagem do saber mais antigo, ela desafiada por querer sempre chegar mais além e não ficar atrás de ninguém.  Os amigos há muito tinham percebido o que andava envolvido naquelas peças e no elegante tabuleiro branco e negro. Eles demoraram um pouco mais a perceber que a magia daquele tabuleiro ia muito para além do jogo de xadrez. Com o tempo perceberam a magia que lhes tinha chegado no embalo do jogo nascido na Índia há tantos séculos atrás.

Quando nasceram rebentos daquele amor frutuoso voltou o jogo ao tabuleiro para que as pequenas aprendessem a magia daquelas peças dançantes no tabuleiro mágico.

Quando ficaram velhinhos, onde outros jogos de que tanto tinham gostado na vida, mas agora os corpos cansados nos 80 anos já não permitiam as aventuras de grandes caminhadas e descobertas mais físicas e o tabuleiro voltou a unir aquelas duas metades e o xadrez bailou entre aqueles dedos amantes.

KnightsTemplarPlayingChess1283.jpg

"No xadrez como na vida o Rei e o Peão vão para a caixa no fim do jogo!"

Provérbio Italiano

Descubram também os textos da Marta - o meu canto, do Bruno, da Ana D., da Ana de Deus e da Maria. Querem participar? Vejam aqui como!

 
25
Dez21

E foi Natal!

"Os nossos contos de Natal 2021"

Cristina Aveiro

IMG_5724.JPG

Naquele tempo viviam-se receios de um terrível micróbio que tinha mudado a forma de viver de todos em todo o mundo.

No estranho ano de 2020 todos tinham ficado fechados em casa durante largos períodos e quando chegou o Natal não foi possível juntar toda a família em casa dos avós. Tinha sido assim com todas as famílias e com todas as crianças. Durante todo o ano foram dizendo que com as vacinas, testes e outros medicamentos, no ano seguinte tudo ia voltar ao que fora antes. Mas 2021 continuou a ser um ano estranho, com muitas máscaras e cuidados, tempos de isolamento em casa devido a amigos, professores ou outras pessoas que tinham ficado doentes e para não espalhar a doença recolher em casa era a melhor forma de travar o micróbio.

Ainda assim durante o tempo quente houve menos doença, pode haver férias de praia e de mar, pode haver aniversários com toda a família junta, tudo parecia começar a ser um pouco como antes. Com a chegada do frio no final do outono e início do inverno tudo começou a ficar mais complicado, mas ainda assim os meninos continuaram a acreditar que o Natal ia ser com todos juntos como eles tanto gostavam.

Lá no alto, naquela casa alta, no oitavo andar de um prédio na cidade grande os dois irmãos estavam ansiosos pela chegada as férias de Natal.

PHOTO-2021-12-12-12-29-56.jpg

Durante as férias de Natal iam sempre passar uns dias a casa dos avós. Os avós viviam numa casa enorme, com salas, terraços, sótão, uma lareira com fogueira a sério, jardim e um quintal com árvores e animais. Aquela casa era um lugar onde os rapazes podiam viver com grande liberdade, podiam fazer barulho à vontade, trepar às árvores, construir casas com enormes caixotes de cartão no jardim, ir apanhar laranjas, tangerinas, limões, …

Gostavam de ir ao capoeiro das galinhas buscar os ovos ao ninho, claro que às vezes havia acidentes no transporte porque afinal os ovos não vinham naquelas embalagens do supermercado e eram muito frágeis, mas ninguém se zangava quando se partiam. Havia uma enorme quantidade de histórias em que quase todos já tinha tido os seus acidentes, deixado cair das mãos, do cestinho, ou então como uma vez a tia tinha feito quando era pequenina. Tinha muitos ovos e decidiu colocar no bolso do casaco e depois se esquecera, a seguir fora abrir a porta e encostara-se e todos os ovos que estavam no bolso se tinham partido dentro do bolso do casaco de tricot azul, tinha sido gemada por toda a roupa e cascas partidinhas no bolso durante bastante tempo apesar das lavagens sucessivas.

Os rapazes desejavam sempre não chovesse para poderem passar muito tempo no quintal e no jardim e andar de bicicleta à vontade nas ruas tranquilas perto da casa da avó.

Havia também a casa da tia e das primas que era bem perto e onde havia um sótão enorme cheio de brinquedos, um móvel enorme cheio de legos, jogos e um nunca mais acabar de coisas diferentes das que tinham na sua casa da cidade grande.

Aquela liberdade, os preparativos do Natal na casa da avó e claro a expectativa daquela confusão alegre da troca de prendas deixavam-nos ansiosos por ir.

Na última semana de aulas, tal como já tinha acontecido várias vezes naquele ano, um dos colegas da escola ficou infetado com o maldito Covid e novamente tiveram de ficar em isolamento em casa, sim, isso mesmo, ficar sem poder sair de casa durante muitos dias.

IMG_5721.JPG

Os rapazes ficaram muito tristes, mesmo desolados porque assim, tal como no estranho ano de 2020 todos iam ter de ficar em casa no Natal e não iam poder estar com as tias, os tios e as primas. Nunca tinham imaginado que fosse acontecer de novo, mas tinha acontecido.

Nos primeiros dias em casa até se divertiram bastante, continuavam a ter aulas e trabalhos de casa, mas sobrava muito mais tempo porque não tinham que andar nas enormes filas de transito da cidade do mês do Natal. Passavam mais tempo a brincar, a ler, a conversar com o pai e com a mãe, a brincar com a gata, … Estavam a ter dias muito tranquilos, mas quanto mais se aproximava o dia 24 mas difícil era lembrar que não iam para casa dos avós e que não iam passar o Natal com "toda a gente" como eles costumavam dizer.

No dia 24, depois de terem jantado ouviram tocar a campainha e ficaram todos admirados. A mãe foi abrir a porta devagarinho, mas não estava lá ninguém. Os rapazes e a gata também vieram logo ver o quem era e viram logo o enorme saco de serapilheira muito cheio e um monte de envelopes coloridos em cima do saco. Pareciam postais de Natal.

Foi uma alegria levar tudo para dentro de casa, começar e ler os postais e o que estava dentro do saco.

IMG_5733.JPG

Mal tinham levado tudo para junto da árvore de Natal e do presépio quando o telefone tocou. O pai atendeu e disse que tinham de vestir os casacos grossos e ir todos para a varanda.

Lá foram todos e começaram a olhar para baixo tal como o pai tinha dito.

Que surpresa!

Estavam lá todos, os avós, os tios e as tias, os primos e as primas e foi pura magia de Natal vê-los e ouvi-los a cantar: Feliz Natal, Feliz Natal, que seja um bom Natal para toodos nóós!

IMG_5723.JPG

 

Este texto foi criado desafio "Os nossos contos de Natal 2021" lançado pela  Imsilva do Pessoas e Coisas da Vida e em que participam muitos bloguers deste maravilhoso sapal.

08
Set21

Parabéns meu Amor!

Cristina Aveiro

IMG_4431.jpg

Há 21 anos era sexta-feira e estava um dia quente e solarengo de Setembro, tu não tinhas pressa de vir ver o mundo, mas precisavam de te fazer sair do banho doce em que o meu corpo se tinha tornado. Eras tão frágil e estavas tão marcada pela viagem de chegada. A tua tranquilidade, doçura e paz eram incríveis num recém-nascido. Eu nem acreditava como adormecias só com um carinho entre as sobrancelhas e descansavas serena e tranquila.

A minha menina doce já é mulher, é uma mulher corajosa e lutadora. Acredita nos seus sonhos e procura alcançá-los com muita garra e determinação, mas nunca se esquece de quem está à sua volta. É empática, sorri, tem sempre uma palavra, tempo e compreensão para os que a rodeiam. É estimada e consegue aquecer os corações das gentes mais frias das terras de sua majestade, levas-lhes o sol dos afetos mediterrânicos e recebes também o calor das gentes desta terra que te acolheu há já três anos.

IMG_4438.JPG

Quanto cresceste por aí, quando foste ainda nem 18 anos tinhas...

IMG_4439.jpg

Este é o quarto aniversário em que não te posso abraçar com os braços, mas abraço-te com todo o meu ser minha Matilde.

16
Jul21

O piano e a baleia

Cristina Aveiro

fiche_nat_baleine_2_irt_ceric_lamblin.jpg

Era uma vez uma ilha onde nasciam os pianos mais perfeitos e belos do mundo. Os pianos eram feitos com madeira de abeto, estrutura e cordas de metal e milhares de peças que funcionavam harmoniosamente entre si com a precisão de uma orquestra.

Japão.jpg

Um dia chegou à ilha das cerejeiras em flor, onde nasciam os pianos, um pedido para que nascesse um piano de cauda especial, com as melhores madeiras e criado pelos melhores artesãos da ilha. E foi assim que na ilha das cerejeiras em flor nasceu o belíssimo piano de cauda a que chamaram Sakura. Era magnífico, os seus sons, a sua música, encantavam todos os que a escutavam, parecia mágico.

12223-v1-490x.jpg

Do outro lado do mundo, numa pequena ilha verde, todos esperavam ansiosamente a chegada do piano. A vinda do piano de cauda para a ilha era um sonho antigo, que tinha sido muito difícil de alcançar. Tudo começara com um rapaz pequeno que estudava piano com uma professora idosa no seu pequeno piano antigo. Dizia-se que ela tinha sido uma pianista famosa que viera viver na pequena ilha verde para poder sentir a sua paz e para estar sempre a ver o mar. O menino aprendia tudo velozmente, treinava e estudava sem nunca se cansar. A professora cedo percebeu o talento enorme que o menino tinha e nunca se cansava de o ensinar, de o desafiar, enfim de o conduzir para ir sempre mais longe na sua música.

Na pequena ilha verde todos foram ficando a saber do talento do menino e iam em grupos para o jardim da pequena casa branca escutar o menino e a sua música. Cada vez havia mais pessoas a ir sentir o encanto da música e o jardim foi ficando pequeno para todos. Começaram então a sonhar com uma grande sala com paredes de vidro viradas para o mar e com um piano de cauda como os das melhores salas de concertos do mundo. Se bem sonharam, melhor fizeram e juntando esforços ao longo de anos conseguiram pedir para que nascesse Sakura na ilha onde nasciam os pianos.

fbca5d71e73dfa3c79999be5a0fc7edf.jpg

Finalmente tudo estava preparado na ilha verde e a longa viagem de Sakura, pelo oceano já começara. Os dias passavam devagar na ilha verde, onde as vacas vagarosamente pastavam livres e felizes nos campos a ver o mar, onde os ilhéus percorriam as estradas sempre contornadas de hortênsias azuis com uma calma e tranquilidade especial que existia em muito poucos lugares do mundo.

Pico_Matias_Simão,_Altares,_Angra_do_Heroísmo,_I

A bordo do navio, Sakura, o belo piano de cauda, sentia angústia por ter deixado a ilha onde tinha nascido e sentia desconforto com o frio e a humidade do ar. Quando o navio balançava ficava mais tranquilo e até conseguia sentir alguma música naquele ondular. Ao fim de muitos, muitos dias no mar, Sakura começou a ver ao longe o que lhe parecia ser umas ilhas. Havia também outros barcos, mas o que lhe prendeu toda a sua atenção foi um som forte, único, era uma canção, mas não era cantada por pessoas. O som era grave e forte, parecia triste e fazia-o sentir um friozinho na barriga, parecia que o estavam a chamar.

Boca da Baleia.jpg

Tentou perceber de onde vinha aquele som mágico e percebeu que vinha do mar. Ao longe, ao lado do navio ele viu de onde vinha o som. Oh! Como era bela! Era cinzenta, quase preta, enorme, erguia-se sobre as águas e voltava a cair no mar deixando apenas à vista a sua belíssima e singular cauda. Ele nunca vira tanta beleza, abaixo da enorme boca sorridente ela tinha o que pareciam ser teclas que se afastavam quando a boca estava cheia de água. Ouviu os marinheiros dizerem que era uma baleia. Nunca tinha visto nada tão belo, como gostaria de ter alguém que o tocasse e juntasse a sua música à maravilhosa canção da baleia. Será que ela algum dia iria escutar a sua música? Será que ela poderia sequer prestar-lhe atenção?

Baleia a saltar.jpg

No céu uma andorinha preta e branca que voava por aquelas paragens sentiu a emoção que a canção da baleia despertava no enorme piano de cauda que viajava no barco. A andorinha até conseguia sentir a música que o piano deixar sair das suas entranhas para acompanhar a melodiosa canção da baleia. Havia no ar tanta música que a andorinha deu por si a acompanhar com o seu canto aqueles dois seres enormes, vestidos de negro, com enormes sorrisos e cheios de música por dentro. Só a andorinha é que pôde ver aquele encontro mágico entre a enorme baleia e o imponente piano de cauda que acabava de chegar ao porto da ilha.

baleia no mar.jpg

Com a chegada ao porto, foi um nunca mais acabar de manobras e transportes até que finalmente colocaram o majestoso piano de cauda na sala de concertos virado para o mar. Chegou então o momento que todos pacientemente tinham aguardado, o menino sentou-se ao piano e começou a tocar. A magia das mãos do menino nas teclas do piano e a perfeição e imponência dos sons do Sakura foram avassaladoras, a música encheu a sala, abriram as janelas viradas para o mar e jorrou música como se fosse a lava de um imparável vulcão. Tudo parou na ilha, não havia qualquer outro som que não o do piano e ao longe, muito longe podia escutar-se o som da baleia que cantava com toda a alma parecendo chamar Sakura para junto de si.

Desde esse dia e durante muitos anos sempre que o piano de cauda da ilha verde era tocado via-se a baleia bater a sua cauda no mar e escutava-se o seu canto grave e profundo.

No mar cada vez mais baleias, golfinhos e todo o tipo de criaturas marinhas iam vindo até à baía próxima da sala de concertos onde Sakura, o magnifico piano de cauda apaixonado era tocado. As pessoas vinham de todas as paragens para sentir a música e ver as mais variadas criaturas do mar concentradas na baía enquanto durava a música. No meio de todos brilhava sempre a baleia que ele tinha visto quando tinha chegado à ilha verde e pela qual era profundamente apaixonado, era ela que fazia o canto mais admirável e apaixonado e que no dueto único com o seu amado atraia os seres humanos e os seres marinhos.

dancing-whales-group-of-sperm-whales-wallpaper-pre

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contos de Natal 2020

Desafios da Abelha

Eu Sou Membro

Desafio Caixa dos Lápis de Cor

desafio com moldura selo.png

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub