Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos por contar

Contos por contar

01
Ago20

Mestre, o cão de água português

Cristina Aveiro

 

                  caoagua.jpg

Há muito, muito tempo, numa terra quente, de mar calmo, cheia de luz, viveu o Mestre que era um trabalhador incansável, sempre pronto a acompanhar e ajudar o seu dono.

        3825333.jpg

Mestre ia todos os dias para a faina da pesca com o dono e os seus companheiros num pequeno barco de madeira a remos, sempre cheio de redes que o dono e os outros pescadores faziam com corda e umas agulhas especiais feitas de cana.

Algarve - Pescadores.jpg

Mestre ia sempre à popa do barco muito atento, cheirando as águas do mar e ladrando quando sentia o aroma dos cardumes para que o dono lançasse as redes. Às vezes caia um gancho ou um cesta ao mar e prontamente o Mestre saltava do barco, nadava e recolhia o que tinha caído. Quando o Mestre nadava tudo era harmonia e coordenação, costas bem direitas, pernas e braços a nadar, parecia uma pessoa e não um cão a nadar. Na verdade ele não nadava à cão. Como era um cão pescador, um cão de água e tinha umas patas especiais e diferentes das dos outros cães, ele tinham membranas entre os dedos das patas, como os patos ou outros animais nadadores. Mestre era muito rápido a nadar. Às vezes os pescadores que sabiam nadar faziam apostas para ver quem consegui nadar mais depressa que o Mestre, mas… nenhum conseguia ganhar.

Quando era preciso mergulhar o Mestre ia sem medo, parecia que não precisava de respirar, mesmo quando ia muito fundo, mais de dois metros e aguentava muito tempo, porque… podia! Sim, o Mestre podia porque tinha uns super-pulmões com o dobro do tamanho dos dos outros cães e assim consegui guardar lá dentro o dobro do ar e aguentar muito tempo.

                      22334_1263310428.jpg

Todos os barcos de pesca naquela terra do Sul tinham cães como o Mestre. Os cães de água eram sagrados para os pescadores, eram a sua riqueza, o seu bem mais precioso. Para os pescadores os seus cães eram mais um membro da família, por isso nunca podiam ser vendidos. Quando havia uma ninhada os cachorros eram oferecidos aos pescadores jovens para que juntos apurassem as artes da pesca.

Na pesca, muitas vezes quando os peixes se começavam a afastar da rede, Mestre nadava à sua volta de modo a que fugissem para dentro da rede. Mestre não descansava enquanto não tivessem conseguido uma boa pesca.

               22334_1263310458.jpg

Sempre que era preciso pedir ajuda a outro barco, ou a terra, Mestre não hesitava e ia fazer o que lhe pediam.

Mestre tinha um longo pelo preto encaracolado, que crescia quase até lhe esconder os olhos. Os seus olhos eram pequenos e escuros mas sabiam dizer mais do que muitas palavras.

O pelo do Mestre era cortado de modo a faze-lo parecer um leão, com o pelo longo no tronco e na cabeça, fazendo uma enorme juba e com o pelo curto no resto do corpo, excepto na ponta da cauda que terminava com um tufo de pelo longo. Não se pense que era por ser moda, ou para ficar bonito, tudo era feito para o Mestre ser ágil e estar protegido. O pelo curto atrás evitava que fosse pesado e tornava-o mais ágil a nadar. A grande juba protegia-o quando ele entrava na água fria depois de estar encalorado no cimo do barco ao sol escaldante. Senão fosse a juba, a diferença de temperatura podia ser fatal para o Mestre.

Os filhos do pescador adoravam brincar com o Mestre, diziam que era um cão tão forte que os protegia de todos os perigos em terra e no mar. Na praia depois da faina iam para o mar com o Mestre, mergulhos, corridas e risadas era tudo o que se podia ouvir. O pai orgulhoso dos seus rapazes, via como eles iam aprendendo a nadar vendo como o Mestre fazia.   O pescador cuidava das redes descansado enquanto os pequenos brincavam nas ondas porque ele sabia que o Mestre tomava conta e se fosse preciso ajuda ele ladrava a pedir.

                        rodrigo-agua8.jpg

Quando o mar estava agitado no Inverno Mestre e o dono ficavam em terra e passavam longo tempo junto ao cais onde também estavam os outros pescadores. O dono remendava as redes e tecia redes novas, o Mestre corria pela praia e nadava. Os pescadores ficavam por ali com os seus cães, contavam histórias do mar e da faina. Havia um pescador idoso, um verdadeiro lobo do mar, que já não podia ir nos barcos mas continuava sempre pelo cais a ajudar, a contar histórias antigas, muitas do tempo dos seus avós, que já lhes tinham sido contadas pelos pais e avós. Os pescadores sabiam muitas coisas mas não sabiam ler, nem tinham livros, tudo era ensinado na família e pelos companheiros mais idosos e sábios.

O velho lobo do mar dizia que os cães de água descendiam dos cães dos romanos chamados cão leão e que há mais de 2000 anos que estes cães eram inseparáveis dos pescadores. Como era um ansião todos o respeitavam e escutavam embora talvez nem todos acreditassem, mas para eles não importava há quanto tempo os cães pescadores existiam, o que importava aos pescadores era que os cães de água estavam lá desde sempre com eles e iriam estar para sempre. Afinal como poderiam pescar se não tivessem os seus cães? Sem a ajuda dos cães nunca conseguiriam pescar o suficiente.

                               d46662be3288507be852a5153244cd3b.jpg

De vez em quando o Mestre interrompia as suas corridas na praia e voltava para junto do dono, ficava deitado sobre a rede a olhar para ele.

caodeaguaportugues-1.jpg

O Mestre não entendia as conversas dos pescadores, mas sabia que ali era o seu lugar e era feliz.

ria-formosa.jpg

 

Este conto é uma homenagem ao cão-de-água português que é único e só passou a ser mais conhecido em Portugal quando o presidente Barck Obama adoptou um casal, o Bo e a Sunny. A escolha deveu-se ao facto de a raça ser adequada a pessoas com alergias porque tem apenas uma camada de pelo com características especiais.   

         caodeaguabanner.jpg

Para saber mais sobre o cão de água português:

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desafio Caixa dos Lápis de Cor

desafio com moldura selo.png

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub