Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos por contar

Contos por contar

26
Jun20

A Cegonha Baralhada

Cristina Aveiro

White_Stork_Glider.jpg

Há muito, muito tempo, antes dos nossos avós terem nascido viveu um menino chamado Francisco numa quinta com muitos animais. Era um rapaz curioso que fazia muitas perguntas sobre tudo o que estava à sua volta. Na quinta havia muitas enxadas, podões, foices, gadanhas, ancinhos e um sem fim de instrumentos para cuidar da terra e das culturas. Também havia algumas maquinetas para atrelar às vacas e arar a terra, outra para debulhar o milho, uma prensa com uma pedra gigante a fazer peso no lagar para espremer as uvas da vindima. Enfim havia mil e uma coisas para descobrir todos os dias. Na quinta nunca havia dois dias iguais, em cada altura do ano havia tarefas diferentes como semear na primavera, colher os frutos no final da primavera ou no verão, vindimar no fim do verão, apanhar a azeitona, a castanha e as nozes no outono, … e nunca parava.

lavrar.jpg

O Francisco já sabia ler, escrever e fazer contas, tinha aprendido na escola. Ele gostava de ler sempre que encontrava algum jornal e os livros que havia lá em casa. Mas o Francisco já tinha lido todos os livros que havia em casa para a sua idade, e ele achava que eram muito poucos. Muitos dos seus amigos não tinham nenhum livro em casa senão os livros da escola, e muitos dos pais dos seus amigos nem sabiam ler como os pais do Francisco. A mãe do Francisco cuidava dos animais da quinta e organizava os produtos para vender no mercado na cidade todas as semanas. Francisco gostava muito de a ajudar nessas tarefas e estava sempre pronto para ir buscar os ovos com um cesto em verga, ir com um balde em madeira dar água e milho e trigo às galinhas, aos patos, aos perús, … Também gostava muito de ajudar a mãe a fazer os queijos com o leite das cabras e das ovelhas, era muito bom passar aquele tempo com a mãe enquanto espremiam a massa do queijo para dentro das forminhas pequenas de alumínio a que chamavam francelas. Francisco aproveitava estes momentos tranquilos com a mãe para lhe perguntar coisas que lhe tinham estado a bulir na cabeça como ele gostava de dizer.

                               criancas-1.jpg

 

Num desses dias o Francisco decidiu perguntar de onde vinham os bébés porque o seu amigo Manuel tinha-lhe dito que ia chegar um bébé a casa dele para ele ter um irmão ou uma irmã. A mãe do Francisco deu-lhe a resposta que todos os pais nesses tempos davam aos seus filhos.

A mãe disse:

- O bébé vem de Paris num cesto pendurado no bico de uma cegonha!

O Francisco perguntou:

- Onde é Paris?

A mãe respondeu-lhe:

- Paris é a capital de França. É uma cidade muito, muito grande e muito longe daqui.

O Francisco ficou pensativo e parou de fazer perguntas por um bocado, o que a mãe estranhou.

Desde essa altura que o Francisco passou a olhar com muita atenção sempre que via uma cegonha e começou a tentar ver como viviam e construíam os seus ninhos. Felizmente havia um ninho de cegonhas no topo de uma chaminé de uma casa velha que já não era habitada junto ao regato da aldeia.

bird-new-photos-stork-nest-53200.jpg

O Francisco viu que durante o inverno o ninho estava vazio, mas quando estava mesmo a começar a primavera chegou uma cegonha, e algum tempo depois outra. Passavam o tempo todo a arranjar o ninho, iam buscar novos paus, colocavam ervas e palhas fofinhas no meio, arranjavam tudo muito bem com os seus longos bicos avermelhados. O Francisco também viu que elas, ao contrário das outras aves não cantavam. Mas não era por isso que não se faziam ouvir! Passavam muito tempo a mandar a cabeça para trás deixando cair o seu longo pescoço sobre as costas e ao mesmo tempo batiam com os seus bicos sem parar fazendo um barulho que parecia castanholas, bem ritmado e elas pareciam estar muito contentes.

O Francisco viu que tal como ele pensava não traziam no bico nada mais do que paus ou ervas e palhas, não acreditava que pudessem trazer cestos ou bébés. Mas então porque teria a sua mãe dito que elas traziam? Ele decidiu continuar a ver o que faziam as cegonhas porque podia haver alguma coisa que ele não tivesse visto bem.

                              images (1).jpg

O tempo foi passando e o Francisco sempre que podia ia para o cimo de uma colina perto da casa com o ninho e ficava a olhar para as cegonhas. A dada altura uma delas deixou de andar por ali e ficava todo o tempo no ninho, era a outra que lhe trazia a comida. Passado algum tempo, lá estavam três cegonhas pequeninas no ninho. Eram tão engraçadas, muito desajeitadas com a sua penugem cinzenta e desde logo também batiam os seus pequenos bicos escuros e mandavam os pescoços e a cabeça para trás sobre as suas costas.

                                                 images (2).jpg

A mãe notou que o Francisco pedia muitas vezes para ir dar um passeio até ao riacho e que se demorava no passeio. Quando a mãe lhe perguntou o que é que ele ia fazer nesses passeios e com quem ia, ele disse-lhe que andava a observar um casal de cegonhas que estavam no ninho da chaminé da casa velha. A mãe que conseguia adivinhar os seus pensamentos ficou a pensar que este interesse por aquelas aves devia vir da conversa que tinham tido sobre o bébé do seu amigo Manuel.

A mãe começou por perguntar ao Francisco como eram as cegonhas, o que faziam enquanto ele as tinha estado a ver, o que transportavam no bico, … E o menino falou da elegância das cegonhas, de como eram grandes, especialmente enquanto voavam com as asas bem abertas e o pescoço bem esticado e as patas, do cuidado com que preparam o ninho e das pequenas cegonhas que entretanto tinham nascido. O Francisco não teve coragem de dizer à mãe que não acreditava que a cegonha pudesse carregar com um bébé, mas os seus olhinhos diziam à mãe o que o estava a intrigar.

A mãe perguntou ao Francisco como tinham aparecido as cegonhas pequenas e ele disse que não tinha conseguido ver os ovos, mas que como elas eram aves, deviam ter posto ovos, até porque uma das cegonhas tinha estado muito tempo sempre no ninho tal como as galinhas quando ficavam a chocar os ovos antes de nascerem os pintainhos. E claro, os outros pássaros todos que o Francisco conhecia: os pombos, os melros, os pintassilgos, … faziam os ninhos e punham os ovos antes de nascerem os passarinhos, por isso com as cegonhas devia ser o mesmo. A mãe concordou com o Francisco e disse-lhe para ele observar bem a natureza porque ia encontrar muitas respostas.

storks-2215456_960_720.jpg

O Francisco ficou novamente a pensar no que a mãe lhe tinha dito e se era certo que os bébés das aves nasciam de ovos, também era certo que os de outros animais não. O Francisco sabia que nos outros animais, as mães ficavam com uma barriga muito grande antes de nascerem os seus filhos. Era assim com a gata, com a porca, a ovelha, na vaca não tinha bem a certeza porque a barriga dela era sempre grande, mas ele achava que sim. Depois de nascerem a barriga das mães voltava ao normal… Logo parecia muito claro, os bébés tinham que vir de lá.

O Francisco continuava a não perceber porque é que a mãe lhe tinha falado nas cegonhas, mas quando lhe disse para observar a natureza ela também lhe estava a dar uma pista para descobrir por si.

Continuou a ir ver a família da cegonhas sempre que tinha tempo livre e gostou muito de ver crescer os filhotes, de ver os pais a alimentarem-nos com peixes, rãs, insectos e minhocas. Pareciam que os pequenos nunca deixavam de ter fome. Estavam sempre prontos para comer. Aos poucos as pequenas aves começavam a tentar voar e estavam sempre a bater as asas como se estivessem a treinar.

Um dia ao final da tarde o Manuel chegou a correr a casa do Francisco e disse-lhe:

- Sabes, já chegou o bébé, mas afinal são dois! São dois meninos muito pequeninos, rosados e com o cabelo escuro.

O Francisco ficou muito feliz e abraçou o amigo, quis logo ir ver os irmãos do Manuel, mas não sabia se podia ir. Foi perguntar à mãe e ela disse que sim que podia, mas que ele tinha de pedir licença aos pais do Manuel. Lá foram os dois amigos muito contentes até à casa do Manuel. O Francisco pode ver os bébés e achou-os demasiado pequeninos mas muito bonitos.

Quando voltou para casa foi logo conversar com a mãe sobre os bébés e a alegria de todos na casa do Manuel.  O Francisco aproveitou este momento para fazer mais uma pergunta à mãe, embora ele já tivesse encontrado as suas respostas. Ele queria ver o que é que a cara e corpo da mãe lhe iam dizer quando ele fizesse a pergunta. Pois ele já previa que a mãe continuasse a falar-lhe da cegonha, mas ele também já sabia “ler” o que a cara da mãe dizia.

Então o Francisco disse:

- Mãe, a cegonha que foi à casa do Manuel devia ser muito baralhada, não achas?

A mãe manteve um ar sorridente e tranquilo e respondeu:

- Porque é que dizes isso? Tu viste a cegonha?

O Francisco respondeu:

- Não, não vi mas devia ser baralhada porque deixou dois bébés na casa do Manuel portanto deve haver outra casa onde estão à espera de um bébé e ela não vai ter nenhum para levar para lá!

A mãe continuou a sorrir, ficou em silêncio e abraçou o seu filho com muita ternura.  Sentia-se feliz com o seu menino, era inteligente, observador e mostrava já sentido de humor.

A mãe penso para consigo, pois sim, devia ser mesmo uma cegonha muito baralhada.

 

 

Para veres as cegonhas brancas e os seus filhotes, vê este vídeo!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desafio Caixa dos Lápis de Cor

desafio com moldura selo.png

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub