Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos por contar

Contos por contar

04
Ago22

O homem que desenhava gatos!

“A Vida Eletrizante de Louis Wain”

Cristina Aveiro

IMG_3237.JPG

Desde muito cedo que percebeu que era diferente das outras crianças, aquele seu lábio estranho, as coisas que interessavam aos outros rapazes na escola e que nada lhe diziam e mesmo em família percebia as suas diferenças. Ter ido tardiamente para a escola (por conselho médico) não terá ajudado a que se sentisse mais confortável nela.

Tinha interesse por observar tudo o que havia na natureza, nos lugares com pessoas nas suas vidas. Muitas vezes não ia à escola para deambular pelas ruas de Londres a observar, a absorver e a desenhar freneticamente tudo.

A sua energia e arte permitiam-lhe pintar com as duas mãos ao mesmo tempo numa velocidade alucinante e com resultados espantosos. Na West London School of Art destacou-se e foi professor por um período curto. Não tinha interesse em ensinar, queria desenhar, criar e pensar em invenções que lhe enchiam a mente. Desenhava para revistas e jornais sem preocupações de ordem prática da vida quotidiana quando a morte do pai o transforma, aos 20 anos, no homem da família, com a mãe e as irmãs a seu cargo.

Esta não era de todo uma missão que a sua mente criativa, frenética, quiçá febril e desorganizada conseguia desempenhar. O lado económico da existência, a ordem das contas e essas tarefas correntes eram algo que a sua mente, que navegava nos altos céus da criatividade, não alcançava. Tão pouco assimilava as normas e convenções sociais rígidas de estratificação por classes que à sua época eram dogmas.

Neste cenário apaixona-se e casa-se com a perceptora das suas irmãs o que manchou o bom nome da família, mas lhe trouxe uma forma de ver o mundo com uma beleza que não conhecia. O seu amor foi feliz, nada lhe importaram as questões sociais, ou a rejeição da sua família, contudo a doença fatal da sua esposa mudou o seu mundo de novo, mergulhando-o em imenso sofrimento. Nesta altura, lutando contra a doença, encontram um pequeno gato perdido no meio de uma tempestade que trouxeram para casa e cuidaram. O Peter, como lhe chamaram, passou a ser o companheiro e a alegria dos dois nestes tempos de doença de Emily. Louis desenhou Peter de forma quase compulsiva e Emily quando viu esses desenhos percebeu ele captara a essência da alma felina. Insistiu para que apresentasse os seus novos desenhos aos jornais e revistas, ao que ele acedeu com pouco entusiasmo.

ldbth169.jpg

A primeira ilustração de Louis com gatos com comportamento humano tinha 150 gatos em 11 cenas e teve destaque na edição de Natal de um jornal londrino importante.

Emily morreu pouco tempo depois, pediu-lhe que continuasse a levar alegria à vida das pessoas através da sua arte e que partilhasse o seu amor pelos gatos.

À época os gatos não eram vistos com bons olhos, eram meras criaturas da noite, serviam para caçar ratos, e segundo Louis:

“Quando comecei a esboçar e pintar gatos, eles eram vistos como criaturas detestáveis, vistos como pragas pelos caçadores.”

Pintar e criar, com alegria e humor foram ao longo de toda a sua vida o lugar onde apaziguava a sua dor. O seu amor pelos gatos esteve sempre presente, mesmo nos tempos mais sombrios de perda e afastamento do mundo. A morte do seu amado Peter foi dramática para Louis porque de algum modo era o companheiro que lhe restava da sua vida com Emily.

Desenhou sempre e pintou até ao fim, experimentando novas formas abstratas, psicadélicas, sempre cheias de rigor, cor e com enorme paixão. A sua dor e fragilidade levaram a que passasse os últimos anos em asilos para doentes mentais, mas mesmo aí continuou sempre a pintar imparavelmente.

Muito mais havia para contar sobre o homem que desenhava gatos, mas contemplar os seus gatos parece-me a melhor forma de o dar a conhecer e homenagear!

Louis_Wain_at_his_drawing_table_1890.png

“A Vida Eletrizante de Louis Wain” foi o filme de que me deu a conhecer este homem notável, para além da sua arte marcou-me a sua coragem (haverá quem lhe chame loucura) em romper com preconceitos, em viver o seu caminho, mesmo contra tudo e contra todos se fosse preciso. O estigma sobre a saúde mental foi, é e será uma enorme barreira para que muitas pessoas possam ser felizes e que lhes seja permitido darem o seu pleno contributo à sociedade. Foi também este aspeto da vida e obra de Louis Wain que me tocou profundamente.

 

 

03
Ago22

Os Sapos do Meu Coração!

2 anos de Contos por Contar

Cristina Aveiro

IMG_3243.JPG

Esta família do sapal é algo que nunca esperei ter... Pensava sempre que só podemos sentir carinho, partilha e amizade quando nos conhecemos cara a cara, quando nos abraçamos com os braços e estamos juntos fisicamente. Neste lugar, que considero o Reino Encantado dos Sapos Verdes sinto tranquilidade, carinho e alegria, é por isso que cá venho sempre que posso.

Este tem sido um ano de caminhada muito diferente para mim, e as musas estiveram mais afastadas, mas o sapal continuou a ser o meu lugar.

Há um ano comemorando o primeiro aniversário fiz um balanço que agora reli! Acreditem que não tinha presente a quantidade de aventuras que vivemos juntos nesse ano. 

Neste ano escrevi e li pouco, mas houve dois momentos que mereceram a atenção do governo do Reino.

Destaque - No Reino Encantado dos Sapos Verdes-26-

Contos por Contar - Pag Principal do Sapo-Abril 20

Soube bem receber a atenção quando partilhei o que senti em Coz no lugar de magia da Adega das Monjas, mas mais do que tudo foi receber a vossa atenção e presença, sentir que estavam aí mesmo quando estive mais longe.

Sou muito grata por vos ter!

Sabem que mais, a pintura do Louis Wain fez-me sonhar com um grande encontro dos sapos do reino, numa praia de areia dourada a jogar um jogo qualquer, a conversar, brincar, fazer maluquices, sei lá! Ser criança, ser sapo, ser feliz convosco! Conhecer as vossas caras, os vossos abraços, a voz, as gargalhadas e suspiros, ...

 

 

 

02
Ago22

Quando a saudade não cabe no peito ...

Cristina Aveiro

Quando o coração e o peito ficam apertadinhos de saudades viajo na memória de quando as minhas meninas eram todas minhas…

Não há longe nem distância disse alguém! Mas eu digo que quando os nossos amores estão longe e distantes há um peso no nosso peito que nos abafa e rouba por vezes a energia e a luz.

Talvez sinta saudades de tudo o que vivemos enquanto cresciam. Hoje pousei o olhar na Maria com o pequeno passarinho na mão e na Matilde de olhar tranquilo e doce. Só de contemplar estas imagens viajo ao momento vivido, parece que sinto os cheiros e o calor desses dias longos de Verão e sem querer sinto o meu sorriso a aparecer.

Talvez por ser Verão, por estar calor, por ter ido ao quintal encantado da avó ainda há bocadinho, talvez por tudo isso senti ainda mais a saudade dos abraços e beijos e de estarmos todos juntos.

Talvez por não conseguir guardar toda esta saudade em mim tive de a partilhar convosco!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contos de Natal 2020

Desafios da Abelha

Eu Sou Membro

Desafio Caixa dos Lápis de Cor

desafio com moldura selo.png

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub